Palestra "As Pedras Preciosas no Tempo: Cartier e Lalique".

Pelo Dr. Rui Galopim de Carvalho
14 Dezembro ás 18h45 / 6€

Nos anos em torno da viragem do século XIX para o XX, dois grandes joalheiros produziam peças de grande aparato servindo-se das gemas de forma totalmente diferente no que ao conceito diz respeito. Enquanto o clã Cartier valorizava nas suas jóias as pedras de grande valor engastadas na então inovadora platina que servia de sustentáculo para a ostantação dessas pedras, René Lalique escolhia as suas pedras em função do efeito visual que contribuísse para  fazer passar a sua linguagem estética. Jóias em função das pedras e pedras em função das jóias: duas abordagens totalmente opostas cujos fundamentos ainda hoje são actuais.

 
Alfinete pavão em ouro, esmaltes, diamantes e opalas. René Lalique. ca. 1898-1900. © Museu Calouste Gulbenkian

Alfinete pavão em ouro, esmaltes, diamantes e opalas. René Lalique. ca. 1898-1900. © Museu Calouste Gulbenkian